Imprensa

Voltar

Notícias

18/fev/2014 às 16:28

80% dos alimentos consumidos no mundo são produzidos por agricultores familiares

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul (FETRAF-SUL/CUT) realizou nesta terça-feira, 18, uma Plenária Estadual com os sindicatos de Santa Catarina, autoridades políticas e lideranças sindicais e de entidades ligadas à agricultura familiar. O evento contou com a presença do representante da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO/ONU), Carlos Biazzi, que palestrou sobre o Ano Internacional da Agricultura Familiar. A presidente da Cooperhaf, Liane Vitali Kothe e o secretário geral, Ari Pertuzatti,  também participaram da atividade.

O decreto da ONU sobre o Ano Internacional da Agricultura Familiar foi definido em 2008 durante o Fórum Social Mundial para que em 2014 fossem discutidas as questões relacionadas à fome no mundo, produção de alimentos e as prioridades da agricultura familiar e dos governos em cada país. “Este é o ano dos nossos governos perceberem a importância da agricultura familiar. Momento da sociedade saber que se alimenta porque a nossa agricultura familiar produz. Os nossos agricultores precisam de consideração e de valorização”, disse Biazzi.

Segundo dados divulgados pela ONU e apresentados por Biazzi, existem 500 milhões de agricultores familiares no mundo que são responsáveis por produzir 80% dos alimentos consumidos pela população. “O alimento que os trabalhadores urbanos consomem é proveniente da agricultura familiar”, salientou o representante da FAO. Os dados também apontam para a preocupação da maioria dos governantes: o êxodo rural (somente em Santa Catarina o êxodo rural apontou um crescimento de 21% nos últimos anos) e a fome/pobreza (mais de 11 milhões de pessoas estão passando fome no mundo). “Toda a produção de alimentos do Brasil é sustentada pela agricultura familiar, se os jovens não permanecerem no campo, quem vai produzir comida? Que situação queremos enfrentar daqui a 50 anos?”, questionou Biazzi. Por estes motivos e questionamentos a ONU decretou 2014 como o Ano Internacional da Agricultura Familiar para chamar a atenção da população para um problema que pode ser resolvido conjuntamente entre os governos, sociedade e entidades.

O jovem agricultor Paulo Roberto Tonet, do município de Campo Erê – SC, apontou uma das alternativas para o jovem permanecer no campo e garantir a renda familiar: apostar na produção diferenciada, como é o caso da agroecologia. “O jovem tem futuro no meio rural, basta buscar alternativas diferentes como a agroecologia ou em ter a própria agroindústria. O mercado está apresentando demanda e buscando por produtos diferenciados”, salientou Tonet.

Para a FETRAF-SUL/CUT este ano será de muita luta, debates, desafios e expectativas para a agricultura familiar. “Estamos buscando por políticas públicas que contemplem uma nova forma de produção e organização da agricultura familiar, que mantenham o jovem no campo produzindo alimentos e que garanta a renda das famílias”, lembrou Alexandre Bergamin, coordenador da Federação em Santa Catarina. Nesta semana a FETRAF-SUL/CUT inicia as negociações da X Jornada de Lutas da Agricultura Familiar, a qual inclui pontos relacionados á sucessão familiar e produção de alimentos, e fará a entrega da pauta de reivindicações ao governo Estadual e Federal.

Assessoria de Imprensa Fetraf-Sul/CUT